segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

Untitled

Olá Braseeeel

Só queria compartilhar que além de muito gripada, estou muito feliz por finalmente baixar o app do blog e estar começando a organizar meu mundo interior nesse lugarzinho do ciberespaço destinado a euzinha aqui.

Agora eu consigo manipular fotos e textos de um jeito muito mais prático e fácil (antes eu tinha que abrir aba anônima do Chrome pra conseguir postar).

Então só pra não me perder nesses devaneios deixo aqui algo que escrevi há alguns meses e possui colaborações da Carol Chiodelli e do Marcelo Schabarum (falar nisso, que saudade de vocês). É uma das minhas produções favoritas (e olha que a minha tendência é nao gostar de nada que escrevo).

[Bilhete esgotado, destino vazio]

Eu que sempre falei "vai, some"
Agora me pego querendo fazer morada no peito de alguém
Por mais que a vergonha se inclua
Lhe peço: por favor, me dilua por inteira

Essa neurose obsessiva ostenta
Uma muralha de nãos que me tenta
A desistir de tentar, outra vez

Eu que me sinto como um trem
Buscando o descarrilhamento
Sigo sentindo que
Tenho um destino certo

Mas quem compraria um bilhete
em direção ao não?

domingo, 12 de fevereiro de 2017

Barco à deriva

escrito dia 03/02 em um bar qualquer


Tive que abrir tuas redes sociais hoje de novo. Queria saber como você tava, ver teu rosto, o que você andava compartilhando, esse tipo de coisa fugaz. E eu fiz isso, mesmo que a parcela da tua vida compartilhada seja irrisória. Eu queria saber, eu queria ver. Mesmo que cada vez que eu veja doa em algum lugar diferente, mesmo que eu tenha prometido pra mim mesma que ia ficar longe disso, que eu merecia mais. E eu sei que mereço mais que as migalhas que colho de ti pelo caminho que já trilhei.

Mas como eu poderia prever que de novo eu acordaria pensando em você? Como eu ia adivinhar que tu tinha o poder de me tornar barco à deriva? Eu que sempre mantive o compostura, que andava fiel com minha bússola, no controle do leme. Eu a me guiar, agora fico tão sem norte. Só há morte. E vazio. O vazio da vida que segue sem ti e leva os sentidos malucos que sempre existiram dentro da minha loucura. Nao há nada sem ti, o vazio é palpável, a dor é assombrosa. E eu? Eu sigo sem saber como seguir...