sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Aquele all star vermelho




Sabe aquele tênis que eu amava? Pois é, eu deixei pra trás... na casa de uma amiga. Eu tava indo embora e ele ficou lá...

Eu deixei ele lá. Não porque eu não queria mais ele, nem porque eu sei que pode passar um tempão mas vou voltar a ver ele. Deixei ele lá pura e simplesmente porque nunca imaginei que de fato poderia ir embora e deixar ele pra trás...

Mas ele ficou lá. Com ele ficou minha esperança de mudar de vida, de te amar de novo, de ficar pra sempre. Com ele ficou a crença de construir um novo lar no antigo lar, de fazer do abraço uma casa, do teu olhar morada.

Ele ficou, mas tu veio de intruso no peito. Poderia ter ficado lá, no aeroporto... Quando não apareceu pra me fazer mudar de vida, quando não apareceu pra ter de volta o que era teu: meu peito, teu abrigo anti-bombas.

Mas tu não apareceu, meu tênis ficou pra trás e o caminho até pode ser sinuoso, mas eu sou teimosa. Eu aprendi a construir novos lares, a conhecer novas pessoas. Uma hora dessas alguém me trás um tênis e me oferece um novo lar, até lá eu vou lutar. Lutar pra ser feliz. Pra acreditar em mim. Pra parar de sonhar e esperar.

Nao quero ser Alice no País das Maravilhas, não quero ouvir que "pra quem nao sabe onde ir, qualquer caminho serve". Eu construo meu próprio caminho.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

É a vida.


A gente sempre escuta que a vida nao é como a gente quer. Tudo bem, não somos senhores do tempo e não tomamos todas as decisões sozinhos. Muitas vezes não temos a vida que sonhamos, mas não podemos dizer que não é a nossa vida. Nós a construímos dia a dia, acontecimento por acontecimento, decisão após decisão.

Aqui estou eu, escrevendo sobre a vida no shopping que frequento desde criança, na cidade que mais amo no universo. Coração apertado por logo ter que entrar num avião que vai me levar pra tão longe da minha felicidade, pra longe da minha metade que hoje completa a vida de outro alguém.

E a vida, aquela salafraria, tá aqui, me esfregando verdades na cara, destilando a fatalidade do tempo e dos acontecimentos. A vida tá aqui me mostando que passou tempo demais, embora nenhum tempo do mundo seja suficiente, me mostrando que a vida pode não ser como queremos, mas que cabe a nós nos satisfazermos com o que ela oferece. Ela ja me ofereceu muita coisa. Ja me ofereceu muitas possibilidades. Mas eu nao consigo aceitar. Eu nao consigo me contentar. Nao consigo me contentar com menos do que tudo aquilo que desejo. E o meu desejo é voce. Fazer o que? É a vida.

Vou entrar naquele avião tendo vontade de ficar. Vou querer morrer durante todo trajeto só por desejar não sentir mais isso, nunca mais. Mas é a vida.